sexta-feira, 16 de maio de 2014

Quem és tu afinal?

A página estava em branco
e eu vinha escrever um poema
sobre ti,
Mas lembrei-me que não tinha o que dizer

Quem és tu afinal?
Alma sem paz
Ou monstro sem código-postal?

Na minha cabeça
as palavras repetiam-se
as dores multiplicavam-se;
os amores sumiam-se
só as dúvidas ficavam.

Não vale a pena sangrar
Se sabemos que vai estancar.



Sem comentários: