sábado, 26 de maio de 2012

Limbo

Não gosto do riso contido,
Nem do choro sufocado.
Sinto a vida perdida,
Choro o leite derramado.

Não gosto do meio-termo,
Não gosto do amputado.
Não gosto do limbo,
Não gosto do "ficar parado".

Não vale a pena chorar.
Não. Não vale a pena.
Mas só nas lágrimas consigo
Libertar mágoas e incertezas,
De um passado sem futuro
Tão presente, tão enevoado.

Sem comentários: