sexta-feira, 11 de março de 2011

Maldade

Maldade,
(quase) nunca escrevo sobre ti...
Engraçado, se existes, na verdade
Se queres destruir a equidade,
Se estás dentro de quem sorri.


Maldade, 
De face instável
Mas constante no pensamento,
Procuras apenas destruir
Com tua mesquinhez e falta de talento.


Maldade,
Não procures mais.
Nunca tens nada
E nada te resta...
Quando inocentes queres devorar,
Só a morte te quer falar.

Sem comentários: