sábado, 18 de abril de 2015

tenho um poema

tenho um poema perdido
no fundo do caderno, 
que fala de desamor;
tenho um poema ferido
que chorei sem precisar falar ou supor;
tenho uma alma em metamorfoses
que neste poema se cura;
tenho uma calma à noite e um furor na aurora
tenho um poema que escolhe não ser encontrado
porque o destino o deteriora.


Sem comentários: